segunda-feira, 27 de novembro de 2017

Vasco bate Cruzeiro e segue na briga por Libertadores 2018



O Vasco está mais vivo do que nunca na briga por uma das vagas da Copa Libertadores-2018. Em jogo sofrido, a equipe contou com um gol preciso de Paulão e as defesas providenciais de Martín Silva para garantir o triunfo por 1 a 0 sobre o Cruzeiro, em pleno Mineirão, pela trigésima-sétima rodada do Brasileirão. No duelo com a Ponte Preta, a sorte estará lançada.

Mas, no Mineirão, a tensão esteve prestes a rondar o Cruz-Maltino. A lentidão na saída de bola e os erros de passe voltaram a atormentar o Vasco. A tal ponto que, aos três,um vacilo de Nenê abriu caminho para contra-ataque de Arrascaeta, que parou em Martín Silva.

Aos poucos, o Cruzeiro foi tomando as rédeas do jogo e levou perigo. Após tabelar com Arrascaeta, Robinho surgiu na esquerda, e bateu raspando a trave.

Aos trancos e barrancos, o Cruz-Maltino se lançou à frente, em avanços de Pikachu e Evander. Porém, abriu o placar novamente em um lance de bola área. Nenê cobrou escanteio com precisão, e encontrou Paulão livre para, de cabeça, superar Rafael e abrir o placar, aos 20 minutos.

Em vantagem, a equipe de Zé Ricardo penou ainda mais diante do ímpeto celeste. Martín Silva desviou tentativa de Arrascaeta de fora da área. Em seguida, o uruguaio apareceu livre após passe de Thiago Neves, mas Henrique salvou no limite. Robinho e Thiago Neves ainda tentaram, mas o Vasco manteve a vantagem.

Na volta do intervalo, Zé Ricardo sacou Evander e buscou fortalecer a marcação com a entrada do volante Jean. O Cruz-Maltino esboçou uma mudança de ritmo, quando Nenê encontrou Paulinho, mas Rafael salvou. No entanto, o Cruzeiro logo se mostrou perigoso. Rafinha avançou na área e finalizou, para Martín Silva salvar com os pés.

O Vasco encontrou contra-ataque aos 29. Ríos serviu Yago Pikachu, e Romero salvou em cima da linha. No rebote, Mateus Vital teve nova chance, mas bateu fraco e parou em Rafael.

Martín Silva voltou a se sobressair aos 37 minutos, quando defendeu finalização de Henrique.

Aos poucos, o cruz-maltino foi cadenciando o jogo até garantir uma vitória crucial. A equipe vai para a reta final confiante na vaga da Libertadores-2018.


FICHA TÉCNICA 

CRUZEIRO 0x1 VASCO 

Local: Mineirão, no Belo Horizonte (MG) 
Data-Hora: 26-11-17 - 17h (de Brasília) 
Árbitro: Raphael Claus (Fifa/SP) 
Assistentes : Emerson Augusto de Carvalho (Fifa/SP) e Alex Ang Ribeiro (SP) 
Público/Renda : 12.212 pagantes (14.930 presentes)/R$ 256.355,00 
Cartões amarelos : Bryan, Thiago Neves, Léo (CRU), Wellington, Henrique (VAS) 
Gol : Paulão, 20/1T (0-1)

CRUZEIRORafael; Lucas Romero, Léo, Digão e Bryan; Lucas Silva (Alisson, 10/2T), Henrique, Robinho (Judivan, 29/2T), Thiago Neves e Rafinha; Arrascaeta. Técnico: Mano Menezes

VASCOMartin Silva; Madson, Paulão, Anderson Martins e Henrique; Wellington, Evander (Jean, intervalo), Yago Pikachu, Nenê (Mateus Vital, 23/2T) e Paulinho (Wagner, 16/2T); Andrés Ríos. Técnico: Zé Ricardo.


Sport vence Fluminense e dorme fora da zona de rebaixamento


Lutando contra o rebaixamento, o Sport conquistou grande resultado diante de um desinteressado Fluminense no Maracanã. Carrasco dos tricolores, o atacante André marcou dois ainda no primeiro tempo e Marcos Junior, em uma das poucas chances, descontou com um golaço de bicicleta. O resultado fez os rubro-negros respirarem na tabela e os tricolores protestarem mais uma vez contra a diretoria com gritos de 'time sem vergonha'.

Debaixo de sol forte no Rio de Janeiro, o jogo começou morno, do jeito que o Sport queria. Afinal, para os rubro-negros, o duelo podia definir a permanência ou não na elite em 2018. Do lado tricolor, já livre do perigo do rebaixamento, Abel Braga prometera um time aguerrido, com 'postura de guerreiro' para buscar uma vaga na Sul-Americana. Mas não foi o que aconteceu.

Nos primeiros dez minutos, o Tricolor apenas se defendeu. Não conseguia nem sair jogando e a desatenção tomava conta da equipe. O Sport aproveitou: em falha de marcação da defesa, Marquinhos cruzou rasteiro e André, na pequena área, se antecipou a Lucas e Chaves e abriu o placar. Mais um gol do carrasco do Fluminense, que já havia marcado no primeiro turno e em outras ocasiões.

Antes mesmo dos 20 minutos, os tricolores já demonstravam impaciência no Maracanã. A postura não mudou. E de novo, André aproveitou bobeira da defesa em cobrança de escanteio e fez mais um: 2 a 0 para o Sport. Para irritar de vez a torcida do Fluminense, que cantou 'time sem vergonha' e 'queremos jogador', além de hostilizar o presidente Pedro Abad.

Por incrível que pareça, o resultado parecia definido antes mesmo dos 30 minutos de bola rolando. A chance perdida por Marlon cara a cara com Magrão mostrava que o time de Abel não estava no mesmo ritmo do adversário. Mas, como dizem, futebol é momento. E em um momento de esperteza, Marcos Júnior aproveitou a bola rebatida na área e emendou uma bicicleta - isso mesmo - no cantinho. De uma hora para outra, o clima mudou.

Na volta do intervalo, Abelão arriscou uma nova forma de jogar: sacou Marlon Freitas e Sornoza para a entrada dos velozes Matheus Alessandro e Wendel. A reação, porém, era fogo de palha. André e Diego Souza tiveram calma e experiência para controlar a posse de bola no ataque e o Sport esfriou a partida até os minutos finais.

A torcida pegou no pé do desinteressado elenco tricolor. Gustavo Scarpa, mais uma vez, saiu vaiado de campo. Festa da tímida torcida pernambucana que ainda viu o artilheiro André quase marcar por duas vezes no fim. O apito final veio como um alívio para ambos: o Sport respira na primeira divisão e o Fluminense só tem mais um jogo de sofrimento até o ano que vem. 

FICHA TÉCNICA 
FLUMINENSE 1X2 SPORT 

Local: Estádio Maracanã, no Rio de Janeiro (RJ) 
Data-Hora: 25/11/2017 - 17h 
Árbitro: Dewson Fernandes Freitas da Silva (SP) 
Público/renda: 12.819 presentes// 10.660 pagantes// R$219.540,00 

Cartões amarelos: Marcos Júnior (FLU); Anselmo (SPO) 
Cartões vermelhos: - 
Gols: André (11'/1ºT - 0x1), André (22'/1ºT - 0x2), Marcos Júnior (37'/1ºT - 1x2)

FLUMINENSEDiego Cavalieri, Lucas, Renato Chaves, Henrique e Marlon; Marlon Freitas (Matheus Alessandro, intervalo), Douglas, Sornoza (Wendel, intervalo) e Gustavo Scarpa; Marcos Júnior e Henrique Dourado - Técnico: Abel Braga.

SPORT : Magrão, Raul Prata, Henríquez, Durval e Sander; Anselmo, Patrick, Marquinhos, Diego Souza, Mena; André - Técnico: Daniel Paulista.

quinta-feira, 23 de novembro de 2017

Grêmio fura Lanús com herói improvável e se aproxima do tri



O sonho do tricampeonato da Copa Libertadores da América está muito perto de se concretizar para o Grêmio. Nesta quarta-feira, na Arena, o time tricolor gaúcho bateu o Lanús pelo placar de 1 a 0, na primeira partida da final continental. O gol da partida foi marcado por Cícero, que saiu do banco de reservas e chegou ao clube recentemente, após ser dispensado do São Paulo.

A Arena teve a presença de mais de 55 mil torcedores. Com o resultado, o time brasileiro dependerá de um empate no confronto na Argentina para conquistar o título do torneio da Libertadores. Como não existe o gol qualificado na decisão, qualquer derrota pela diferença mínima levará o duelo para as penalidades máximas.

Após conseguir a classificação para a final, o Grêmio optou por utilizar os titulares durante o Campeonato Brasileiro para manter o ritmo de jogo dos atletas. O técnico Renato Gaúcho teve em campo o time completo e escalou Fernandinho e Jailson no meio de campo. O Lanús, que preferiu poupar os jogadores no Campeonato Argentino durante 22 dias, para utilizá-los apenas nas decisões, também teve a equipe principal em campo.



O jogo – Os primeiros minutos foram do Grêmio tocando a bola, procurando espaço na retranca do Lanús. Aos poucos, o time argentino foi se soltando na partida e arriscando algumas jogadas ofensivas. Em menos de cinco minutos, a equipe grená teve dois escanteios e uma falta próxima à área gremista para cobrar. Contudo, os lances não resultaram em perigo ao gol defendido por Marcelo Grohe.

Aos 16 minutos, após um bate-rebate no setor esquerdo ofensivo do Grêmio, a bola sobrou para Luan. O camisa 7 dominou e concluiu colocado, mas o chute subiu muito e saiu para tiro de meta.

Em cobrança de escanteio, aos 20 minutos, Luan cruzou, mas a zaga adversária afastou para a entrada da área. Na sobra, Ramiro tentou pegar de primeira, contudo o chute foi desviado no meio do caminho e saiu pela linha de fundo.

O Lanús utilizava bastante o goleiro como um líbero. Após tentar sair jogando com os pés, Andrada foi surpreendido pela marcação alta gremista e fez passe errado. Porém, Ramiro pegou fraco na bola, que retornou para a posse do arqueiro adversário.

A primeira boa chance de gol da partida foi do Lanús, aos 33 minutos. Após jogada pela direita, Martínez recebeu na ponta direita da entrada da área e concluiu com força, rasteiro. O goleiro Marcelo Grohe fez boa defesa, salvando o time gaúcho.

O Lanús começou a gostar da partida. Em cobrança de escanteio, aos 39 minutos, o zagueiro Braghieri subiu mais alto e cabeceou para o chão. A bola entraria, mas novamente Marcelo Grohe salvou o Grêmio. O goleiro saltou no canto e, com o braço, desviou a trajetória.

Após empurra-empurra dentro da área gremista, os jogadores Walter Kannemann e o Rolando García receberam cartão amarelo. O zagueiro gremista estava pendurado e ficará fora da segunda partida, em Buenos Aires.

Aos 44 minutos, o goleiro Andrada tentou sair jogando com os pés novamente e entregou a bola para o Grêmio. A redonda foi parar nos pés do volante Arthur, que chutou de fora da área, mas para tiro de meta.

No último lance do primeiro tempo, os jogadores gremistas fizeram uma bela troca de passes e Ramiro entrou livre na área, mas caiu. O árbitro entendeu que não houve pênalti e mandou seguir a jogada, o que gerou muita reclamação pelo lado tricolor. Após encerrada a primeira etapa, o técnico Renato Gaúcho foi até a arbitragem e pediu para utilizar o recurso de vídeo.

O Grêmio demorou um pouco para voltar ao gramado no segundo tempo, e o quarto árbitro precisou chamar o time no vestiário. As duas equipes retornaram para a segunda etapa sem alterações.

O time gaúcho recomeçou o duelo pressionando o adversário. Aos cinco minutos, em cobrança de falta pela esquerda de ataque, o lateral direito Edílson mandou uma bomba, mas a bola saiu pela linha de fundo.

A primeira grande oportunidade do Grêmio ocorreu aos 10 minutos do segundo tempo. O lateral-esquerdo Bruno Cortez recebeu na entrada da área, e ninguém apareceu para tabelar. Então, ele arriscou o chute ao gol. O goleiro Andrada quase foi surpreendido, mas conseguiu dar um toque salvador e mandar para escanteio.

O Lanús tentava catimbar o jogo, e os atletas gremistas se irritavam com a postura do time adversário. Em ataque do Grêmio, aos 17 minutos, o zagueiro Pedro Geromel carregou a bola e ergueu na área para o volante Jailson desviar no meio do caminho. Porém, a redonda subiu muito e saiu pela linha de fundo.

O cronômetro marcava 28 minutos, e o técnico Renato Portaluppi já havia feito as três modificações possíveis no jogo, colocando Jael, Cícero e Everton no lugares de Lucas Barrios, Jailson e Fernandinho.

As mexidas do treinador gremista deram certo. Aos 37 minutos, após Edílson levantar a bola na esquerda da área, o centroavante Jael ajeitou de cabeça para Cícero empurrar para o fundo das redes e fazer a Arena explodir. Depois do gol, os torcedores acenderam sinalizadores e o confronto ficou um bom tempo parado.

No último lance da partida, o centroavante Jael sofreu pênalti e o árbitro não assinalou.

O duelo de volta ocorrerá na próxima quarta-feira, dia 29 de novembro, às 21h45 (de Brasília), no Estádio La Fortaleza, em Buenos Aires. O time gremista tem a vantagem de atuar por um empate para conquistar o título.

FICHA TÉCNICA 

GRÊMIO 1 X 0 LANÚS 

Local: 
Arena do Grêmio, em Porto Alegre (RS) 
Data: 22 de novembro de 2017, quarta-feira 
Horário: 21h45 (de Brasília) 


Árbitro: Júlio Bascuñan (CHI) 
Assistentes: Carlos Astroza (CHI) e Christian Schiemann (CHI) 


Público: 51.256 pagantes (total de 55.188) 
Renda: R$ 6.526,427,00 


Cartões amarelos: Walter Kannemann, Jailson e Cícero (Grêmio); Acosta, Rolando García, Velázquez e Braghieri (Lanús) 


Gol: GRÊMIO: Cícero, aos 37 minutos do segundo tempo

GRÊMIOMarcelo Grohe; Edílson, Pedro Geromel, Walter Kannemann e Bruno Cortez; Jailson (Cícero), Arthur, Ramiro, Luan e Fernandinho (Everton); Lucas Barrios (Jael) 
Técnico: Renato Gaúcho
LANÚSAndrada; José Gómez, Guerreño, Braghieri e Maxi Velázquez (Aguirre); Marcone, Pasquini, Román Martínez, Alejandro Silva e Lautaro Acosta; José Sand 
Técnico: Jorge Almirón

terça-feira, 14 de novembro de 2017

Em jogo de pouca emoção, Inglaterra e Brasil ficam no empate



Inglaterra e Brasil fizeram um jogo aquém do esperado em Wembley. As duas seleções criaram pouco e ficaram no 0 a 0, em duelo que só teve um lance claro de gol. O teste foi bom para Tite, que pôde encarar uma equipe forte - apesar dos desfalques -, que ficou os 90 minutos na retranca.

Tite pôde, enfim, colocar o time que ele considera ideal em campo, justamente contra a Inglaterra, primeira seleção da escola europeia que o Brasil enfrenta sob o seu comando.

Em pleno Wembley, quem parecia jogar em casa era o Brasil. Posse de bola, marcação sob pressão e boas tramas ofensivas, contra uma Inglaterra muito fechada, principalmente pelos oito desfalques, como Harry Kane, Dele Alli e Henderson. Contudo, faltou acertar o último passe e caprichar nas finalizações. Os laterais pouco avançaram à linha de fundo, e os cruzamentos eram feitos da intermediária, facilitando o trio de zagueiros do English Team. Somente um, de longe, foi preciso, que Gabriel Jesus cabeceou para defesa tranquila de Hart. 

Neymar voltava muito para buscar o jogo e tentar as tabelas, principalmente com Gabriel Jesus, que ficou muito em impedimento. Os arremates do camisa 10 também não foram bons, parando sempre na arquibancada.

O Brasil voltou do intervalo mais ligado e um pouco mais preciso no último passe. No meio dos zagueiros, Neymar achou Philippe Coutinho, que bateu um pouco desequilibrado para defesa de Hart.

O lance, no entanto, foi isolado, e o Brasil voltou a ter os mesmos problemas da etapa inicial. Coutinho estava apagado, Paulinho e Renato Augusto pouco apareciam no ataque. Na defesa, a Seleção não tinha muitos problemas, uma vez que Vardy e Rashford estavam sozinhos na frente, impossibilitando contra-ataques. 

Tite tentou dar mais movimentação ofensiva com Willian e Fernandinho, nas vagas de Coutinho e Renato Augusto. Gabriel Jesus, após levar uma pancada no joelho, deu lugar a Firmino. A Inglaterra, por sua vez, colocou dois jovens atacantes, para dar velocidade ao setor ofensivo.

As mudanças não melhoraram o Brasil, principalmente em jogadas coletivas. Fernandinho bem que tentou ao arrancar do meio de campo e mandar de longe. A bola ainda raspou na trave de Hart antes de sair. Willian se movimentava pelo lado direito, Firmino tentava abrir espaços no comando do ataque. 

A melhor chance do jogo veio já aos 39 minutos do segundo tempo. Em boa trama ofensiva, Neymar achou Paulinho na área. O meia do Barcelona dominou e finalizou forte, para boa defesa de Hart. 

FICHA TÉCNICA 

INGLATERRA 0 X 0 BRASIL

LOCAL : Wembley, em Londres (ING) 
DATA-HORA : 14/11/2017 - 18h (de Brasília) 
ÁRBITRO : Artur Soares (POR) 
AUXILIARES: Rui Barbosa e Paulo Santos (POR). 
PÚBLICO : 84.595 mil presentes 

CARTÕES AMARELOS : Livermore (ING) e Daniel Alves (BRA) 
CARTÕES VERMELHOS: - 

GOLS: - 

INGLATERRA : Hart; Gomez, Stones e Maguire; Walker, Livermore (Rose, 44'/2T), Dier e Bertrand (Young, 35'/2°T); Loftus-Cheek (Lingard, 34'/2°T), Rashford (Abraham, 29'/2°T) e Vardy (Solanke, 29'/2°T). Técnico : Gareth Southgate. 

BRASIL : Alisson; Daniel Alves, Miranda, Marquinhos e Marcelo; Casemiro; Renato Augusto (Fernandinho, 22'/2°T), Paulinho, Philippe Coutinho (Willian, 22'/2°T) e Neymar; Gabriel Jesus (Firmino, 30'/2°T). Técnico : Tite.

domingo, 12 de novembro de 2017

Vasco e São Paulo ficam no empate em São Januário




Em um jogo que não foi bom para as pretensões de ambos, Vasco e São Paulo empataram em 1 a 1 em São Januário, neste domingo, pela 34ª rodada do Brasileirão. Em jogo que marcou o reencontro com sua torcida na Colina Histórica, que lotou o estádio, o Cruz-Maltino chegou ao terceiro empate seguido em casa e perdeu mais uma chance de entrar no G7 do campeonato. Já o Tricolor paulista não chegou na pontuação estipulada para ficar livre de qualquer risco de rebaixamento.

Os visitantes saíram na frente com Marcos Guilherme, e os donos da casa igualaram o placar com Caio Monteiro.

A partida começou equilibrada, com as duas equipes muito bem postadas em campo. O Cruz-Maltino adiantou as linhas e dificultava a saída de bola do Tricolor paulista, que por sua vez estava bem compactado e não dava espaços. 
Empurrado por seus torcedores em casa, o Vasco passou a se lançar mais no ataque. Porém, apesar de ter a bola, pouco ameaçava o gol de Sidão.

Depois da parada técnica para hidratação, o jogo melhorou. Nenê bateu falta com categoria da entrada da área e quase abriu o placar. Na sequência, o São Paulo assustou em contra-ataque e fez sua primeira finalização do jogo, aos 34 minutos.

Maicosuel partiu pela esquerda e bateu com perigo para fora. O gol tricolor saiu logo depois. Aos 39 minutos, Jean vacilou e foi desarmado por Marcos Guilherme na frente da área. O meia-atacante avançou e emendou um chutaço de fora, que Gabriel Felix não conseguiu defender.

Atrás no placar, o Cruz-Maltino se lançou ao ataque e ainda ameaçou em cabeçadas de Gilberto e Madson, mas foi para o intervalo perdendo.

Zé Ricardo voltou para o segundo tempo com Evander no lugar de Gilberto, deixando o Vasco mais ofensivo e melhor na partida. O jovem meia assustou Sidão em cobrança de falta. Paulinho e Andrés Rios também tiveram chances, mas mandaram para fora.

O São Paulo se fechava para sair no contra-ataque, mas não conseguia encaixar. Enquanto isso, Sidão garantia atrás, como em boa defesa em chute de Caio Monteiro. De tanto pressionar, o Cruz-Maltino chegou ao empate aos 30 minutos. Andrés Rios chutou, a bola desviou em Rodrigo Caio e sobrou para Caio Monteiro estufar a rede.

O Vasco ainda teve algumas chances, mas não aproveitou algumas e em outras parou em grandes defesas de Sidão.


FICHA TÉCNICA 
VASCO 1 X 1 SÃO PAULO

Local: São Januário, no Rio de Janeiro (RJ) 
Data: 12/11/2017 - 17h (de Brasília) 
Árbitro: Leandro Pedro Vuaden - RS (CBF) 
Assistentes: Jose Eduardo Calza e Mauricio Coelho Silva Penna (ambos do RS) 

Público e renda: 16.439 pagantes / R$ 519.815,00 

Cartões amarelos: Arboleda, Edimar (SPO); Henrique (VAS) 
Cartão vermelho: Militão, aos 38'/2ºT 

Gols: Marcos Guilherme, aos 39'/1ºT (0-1); Caio Monteiro, aos 30'/2ºT (1-1)

VASCO: Gabriel Félix, Madson, Rafael Marques, Paulão e Henrique; Jean (Wagner, aos 28'/2ºT), Gilberto (Evander, no intervalo), Yago Pikachu (Caio Monteiro, aos 18'/2ºT) e Nenê; Paulinho e Andrés Ríos. Técnico: Zé Ricardo
SÃO PAULO: Sidão, Militão, Arboleda, Rodrigo Caio e Edimar; Jucilei, Petros, Hernanes e Maicosuel (Lucas Fernandes, aos 20'/2ºT); Marcos Guilherme (Aderllan, aos 40'/2ºT) e Pratto (Gilberto, aos 29'/2ºT). Técnico: Dorival Júnior

sábado, 11 de novembro de 2017

Gatito falha, Botafogo joga mal e perde para o Atlético-PR



Uma semana após perder para o Fluminense, o Botafogo voltou a decepcionar a sua torcida em casa. Neste sábado, no Nilton Santos, o Alvinegro jogou mal, viu o goleiro Gatito Fernández falhar e perdeu de 1 a 0 para o Atlético-PR, com gol de Guilherme, em jogo da 34º rodada do Campeonato Brasileiro.

Com o resultado, o time comandado por Jair Ventura fica estacionado nos 51 pontos e caiu para sexto. Na próxima rodada, quinta-feira, a chance de reabilitação será novamente em casa, contra o lanterna Atlético-GO. Já o Furacão está em 11°, com 45 pontos e visita a Ponte Preta na quarta-feira.

Início desanimador 
A partida começou equilibrada, mas nivelada por baixa. Era difícil uma equipe penetrar a área defensiva da outra. Tanto que a primeira boa chance da partida só veio aos 5, com João Paulo. O meia do Botafogo arriscou de fora da área, por cima do gol de Weverton. O Furacão respondeu três minutos depois, com Pablo, que tabelou com Guilherme e deixou Gatito tirando a bola com 'os olhos'. Talvez tenha oferecido mais perigo que o meia do Alvinegro.

O Atlético-PR adiantou a marcação e o jogo virou um festival de passes errados, fraco tecnicamente. Tão fraca quanto a cabeçada de Rodrigo Pimpão, aos 15, após cruzamento de Arnaldo. O Rubro-Negro voltou a oferecer perigo aos 23. Guilherme chutou, Gatito espalmou, deu rebote, mas ninguém apareceu. 
A sorte que o paraguaio teve não se repetiu sete minutos depois, quando o mesmo Guillherme chutou e o goleiro engoliu um frango.

Em meio aos gritos de apoio da torcida, surgiram vaias, pedidos de raça e pela entrada de chileno. Apesar disso, quem entrou foi Gilson, na vaga de Victor Luis, que deixou o campo machucado. Aparentemente, o problema foi no tornozelo. Aliás, nada de vaias a Gatito. O paraguaio segue com moral entre os alvinegros. Pelo menos com aqueles que foram ao estádio.

Valencia, enfim, retorna 
Rodrigo Pimpão ainda perdeu uma chance clara de não engatar o 
15° jogo sem marcar. E ele nem voltou do intervalo, porque Jair colocou Guilherme. No Furacão, saiu Sidcley e entrou Lucas Fernandes.

Mas as alterações pouco mudaram o jogo. Pelo contrário. O nível caiu e a torcida mandante voltou a cobrar a entrada de Valencia. Obedecida aos 15, com a saída de Marcos Vinicius. O chileno não entrou nos últimos três jogos, por opção do técnico.

O Botafogo diminuiu os espaços dados ao Atlético, mas também era pouco incisivo. Na verdade, quem teve a melhor chance - que não foi lá grandes coisas - foi Lucho, de fora da área, para o CAP, aos 19. O Glorioso demorou para responder à altura. Foi só aos 31, com o baixo Guilherme, de cabeça, após cruzamento de Valencia.

Quatro minutos depois, o chileno arriscou de fora da área e o Botafogo iniciou uma blitz. Brenner, Lindoso, Bruno Silva e Guilherme tiveram as melhores chances.

FICHA TÉCNICA 

BOTAFOGO 0 X 1 ATLÉTICO-PR 
Local: Nilton Santos, Rio de Janeiro (RJ
Data-Hora: 11/1/2017 - 17h 
Árbitro: Anderson Daronco (RS) 
Auxiliares: Rafael da Silva Alves (RS) e Elio Nepomuceno de Andrade Junior (RS) 

Público: 7.214 pagantes / Renda:R$ 167.640,00 

Cartões amarelos: Ederson (CAP
Cartões vermelhos: 

Gols: Guilherme (30'/1ºT) (0-1)

BOTAFOGO: Gatito Fernández; Arnaldo, Emerson Silva, Carli e Victor Luis (Gilson, 38'/1ºT) Rodrigo Lindoso, Bruno Silva, João Paulo e Marcos Vinicius (Leo Valencia, 15'/2ºT)Pimpão (Guilherme - Int) e Brenner. Téc: Jair Ventura.


ATLÉTICO-PRWeverton; Jonathan, Thiago Heleno, Paulo André e Fabrício; Pavez, Lucho González (Eduardo Henrique, 32'/2ºT) Guilherme, Pablo e Sidcley (Lucas Fernandes - Int); Ribamar (Ederson, 35'/2ºT) Téc: Fabiano Soares

domingo, 5 de novembro de 2017

Vasco cede empate ao Vitória e perde oportunidade de entrar no G7


O Vasco desperdiçou a chance de entrar no G7 do Campeonato Brasileiro ao empatar por 1 a 1 com o Vitória, neste domingo, no Maracanã. Com o resultado, os cruzmaltinos chegaram a 45 pontos e seguem na oitava posição. Já os baianos, com 35, deixam a zona de rebaixamento.

O Vasco conseguiu aproveitar sua primeira investida ao ataque na partida para abrir o placar. No entanto, nos acréscimos da jogo, o Vitória chegou ao empate com André Lima, que desperdiçou algumas chances ao longo do duelo.

Na próxima rodada, o Vasco terá pela frente o Santos, nesta quarta-feira, na Vila Belmiro. No mesmo dia, o Vitória recebe o Palmeiras no Barradão.

O jogo - O Vitória começou melhor a partida, pressionando o Vasco em seu campo de defesa. Os baianos rondaram a área em diversos lances, mas pararam na zaga cruzmaltina. No entanto, na primeira chegada ao ataque, o Vasco abriu o placar no Maracanã. Nenê cobrou falta na área e Breno cabeceou cruzado, sem chance para Fernando Miguel.

O gol não mudou o panorama da partida. O Vitória seguia com mais posse de bola, mas com dificuldade de criar boas jogadas. Já o Vasco, quase ampliou aos 16 minutos. Mateus Vital recebeu passe na área e chutou para boa defesa de Fernando Miguel.

Aos poucos, os visitantes aumentaram a pressão em busca do empate. O Vitória criou sua primeira boa chance aos 32 minutos, quando Yago achou Patric na área, mas o lateral chutou fraco, em cima de Martín Silva.

Nos minutos finais, os baianos aumentaram a pressão e quase empataram aos 42 minutos. Juninho arriscou de longe e obrigou Martín Silva a fazer boa defesa. O Vasco conseguiu se segurar até o intervalo com a vantagem no placar.

No segundo tempo, o panorama da partida continuou o mesmo. O Vitória dominava o confronto, mas sem levar perigo. O Vasco tentava emplacar nos contra-ataque, sem sucesso. Só que os visitantes passaram a assustar a partir dos dez minutos, e quase empatou em lances com David e Patric.

O Vasco só conseguiu aliviar a pressão depois dos 20 minutos. Em pouco tempo, os donos da casa criaram boa chance e quase ampliaram. Nenê tocou para André Rios na área. O atacante chutou colocou e acertou a trave de Fernando Miguel.

O susto fez o Vitória melhorar a marcar e voltar a pressão sobre os donos da casa. Os baianos chegaram com perigo aos 37 minutos, em cabeceio de Kanu que Martín Silva defendeu quase sobre a linha.

Nos minutos finais, o Vasco tentou segurar a posse de bola no ataque, mas viu o Vitória pressionar e chegar ao empate nos acréscimos, com gol de André Lima, que havia desperdiçado grande chance poucos minutos antes.


FICHA TÉCNICA 

VASCO 1 X 1 VITÓRIA

Estádio: Maracanã, no Rio de Janeiro (RJ) 
Data/hora: 5/11/2017 - 19h (de Brasília) 

Árbitro: Heber Roberto Lopes (SC) 
Auxiliares: Helton Nunes (SC) e Thiaggo Americano Labes (SC) 
Renda/público: R$ 464.515,00/12.990 pagantes 

Cartões amarelosLuis Fabiano, Madson, Martin Silva (VAS) e Juninho, Neilton, Kanú, Yago (VIT)

GOLS: Breno 9'/1ºT (1-0) e André Lima 46'/2ºT (1-1)

VASCOMartin Silva, Madson, Breno, Anderson Martins (Paulão 2'/1ºT) e Henrique (Paulinho 23'/2ºT); Jean e Wellington; Yago Pikachu, Nenê e Mateus Vital; Luis Fabiano (Andrés Rios intervalo). Técnico: Zé Ricardo.

VITÓRIAFernando Miguel, Patric, Wallace, Kanu e Juninho; José Welison (Fillippe Souto 39'/2ºT), Ramon (André Lima 16'/2ºT) e Yago; Neilton (Carlos Eduardo 28'/2ºT), Tréllez e David. Técnico: Vagner Mancini.